August 24, 2016

O Programa de Exploração da China em Marte será cronometrado pela TAG Heuer em 2020!

De John Glenn ao Programa de Exploração da China em Marte, a TAG Heuer alcança as estrelas ao apoiar a ousada tentativa chinesa de explorar o planeta vermelho.


Cerimônia de inauguração do “Mars Rover”, solicitação global para o nome do programa e design do logotipo


Aceite o desafio. Explore Marte. #DontCrackUnderPressure é muito mais do que um comando – é uma mentalidade.


A história dos voos espaciais se tornou parte das conquistas humanas no século XX, seguindo avanços teóricos e práticos. A China surgiu com um potencial significativo para voos espaciais, incluindo missões tripuladas.

O Programa de Exploração da China em Marte agora está oficialmente no horário certo com a TAG Heuer, dando início à solicitação global do design do logotipo do programa e à divulgação do design exterior do tão aguardado primeiro Mars Rover da China.

Hoje, durante a coletiva de imprensa, na presença de Jean-Claude Biver, CEO da TAG Heuer e Presidente da Divisão de Relógios do Grupo LVMH, com o Diretor do programa de exploração lunar e do centro de engenharia espacial dentro da Administração Pública de Ciência, Tecnologia e Indústria para a Defesa Nacional (State Administration of Science, Technology and Industry for National Defense), Jizhong Liu, e o Designer-Chefe da Missão de Exploração em Marte, Rongqiao Zhang, a TAG Heuer tem a honra de se tornar parceira deste evento de solicitação global, demonstrando o total apoio da marca ao Programa de Exploração da China em Marte.

TAG Heuer, o primeiro relógio no espaço no pulso de um americano em 1962.

A TAG Heuer é a relojoaria suíça de vanguarda há 155 anos. Ser vanguardista é nossa cultura e filosofia. O legado único da TAG Heuer é construído ultrapassando os limites e quebrando as regras: usamos força mental para superar as restrições tecnológicas e criar relógios com o verdadeiro espírito de corrida. A marca impactou a história da relojoaria, principalmente na área de cronógrafos, com uma precisão mecânica incomparável.

Em 20 de fevereiro de 1962, a TAG Heuer se tornou a primeira relojoaria suíça a conquistar o espaço com um astronauta americano. “O relógio está correndo!” Com essas palavras, John Glenn deu início ao seu cronômetro, tornando-se o primeiro astronauta americano a realizar o primeiro voo orbital tripulado dos EUA na cápsula espacial Mercury, Friendship 7.

Esse cronômetro, fabricado pela TAG Heuer na Suíça, foi modificado com pulseiras elásticas para se ajustar sobre a manga da roupa de astronauta de Glenn. Depois das falhas com relógios de outra marca nos voos anteriores de Alan Shepherd e Virgil "Gus" Grissom, a TAG Heuer foi selecionada pela NASA devido à sua capacidade de suportar as intensas forças G da decolagem. O cronômetro original está no Museu do Ar e Espaço do Instituto Smithsonian e a réplica está guardada no Museu da TAG Heuer, em La Chaux-de-Fonds.

Em maio de 2012, a TAG Heuer enviou o seu novo cronógrafo Carrera Calibre 1887 SpaceX em uma missão orbital. O relógio foi levado à Estação Espacial Internacional (International Space Station - ISS) pela SpaceX para comprovar sua confiabilidade e precisão mesmo durante as circunstâncias mais extremas.

Em 12 de julho de 2016, a TAG Heuer anunciou uma parceria única com o programa aeroespacial S3 (Swiss Space Systems) ZeroG. O relógio TAG Heuer S3, que será utilizado como cartão de embarque para acessar o voo, proporcionará ao público uma chance de vivenciar a gravidade zero.

A TAG Heuer, que sempre acompanhou o avanço da indústria espacial, enfrentou todos os desafios tecnológicos com a sua grande função de cronometragem – até mesmo um desafio no espaço. Em 1887, Edouard Heuer revolucionou a história da relojoaria para sempre com a invenção do pinhão oscilante, ainda hoje um componente fundamental de cronógrafos. Ao longo do século XX, desde a precisão de 1/100 de segundo a 1/1000 de segundo e, atualmente, até 1/10000 de segundo, a TAG Heuer quebrou repetidas vezes o recorde de uma medição do tempo precisa, ultrapassando os limites da relojoaria.

Da década de 1960 em diante, a corrida espacial se tornou cada vez mais intensa.

Com o rápido avanço da ciência e tecnologia aeroespaciais modernas, conquistar o espaço deixou de ser apenas um sonho. A partir dos anos de 1960, a corrida espacial se tornou cada vez mais intensa. Todos os satélites que foram lançados com sucesso se tornaram nossos olhos no espaço, vigiando o vasto universo sem fazer um ruído sequer.

Confrontado com grandes desafios, o Comitê da Indústria Espacial Nacional da China (China National Space Industry Committee), logo após a fundação, priorizou a pesquisa e o desenvolvimento de tecnologias de foguete como parte dos principais projetos. Em 8 de outubro de 1956, a Quinta Academia do Ministério de Defesa Nacional foi criada como o primeiro instituto da China em pesquisa de mísseis e foguetes. Em maio de 1958, o governo central da China decidiu iniciar o desenvolvimento de satélites artificiais. Após os incessantes esforços dos cientistas espaciais de elite da China, o primeiro satélite terrestre artificial foi lançado em 24 de abril de 1970. Em 2003, a China concluiu o primeiro voo espacial tripulado; em 2007, o primeiro orbitador lunar da China foi lançado; e, em 2013, a primeira sonda lunar da China pousou na Lua com sucesso e completou agora 19 meses de trabalho no espaço, estabelecendo um recorde mundial com o maior tempo de operação na Lua.

Em 22 de abril de 2016, Xu Dazhe, diretor da Administração Espacial Nacional da China (China National Space Administration), confirmou em uma conferência de imprensa do Conselho do Estado que uma missão a Marte foi criada oficialmente, e uma sonda não tripulada será enviada até a órbita de Marte e pousará no Planeta Vermelho em 2020 para realizar pela primeira vez pesquisas de solo, ambiente e atmosfera do planeta.

Essa missão é mais uma das missões de exploração espacial mais importantes da China desde os voos de exploração na Lua com espaçonave tripulada. Ao contrário das primeiras explorações dos Estados Unidos ou da Rússia em Marte, o primeiro programa da China em Marte envolverá orbitar, pousar e ativar um rover em uma única missão. De acordo com o plano, logo após orbitar com sucesso em Marte, o lander com o rover se separará do orbitador e começará a descida até a superfície do planeta, o que exigirá uma demanda maior das operações autônomas do rover após o seu pouso. O plano da trajetória também é mais desafiador, pois deve atender às exigências de órbita e pouso.

Em seu ponto mais afastado, Marte está a 400 milhões de quilômetros de distância da Terra, enquanto a distância média da Terra até a Lua é de 384.000 km, fazendo com que a expedição a Marte seja um desafio mais ambicioso do que um pouso e uma exploração tranquilos na Lua. A distância maior exige taxas de transmissão de dados mais altas, dificultando o controle remoto de um rover na superfície de Marte. Além disso, em comparação com a Lua, Marte recebe menos luz solar, que é obstruída ainda mais pela atmosfera poeirenta, aumentando o desafio de garantir que o rover tenha o fornecimento de energia necessário.

Aceite o desafio, explore Marte.

Com lançamento programado para 2020, o ambicioso programa tem como objetivo explorar a topografia, o solo, o ambiente e atmosfera de Marte, bem como a distribuição de gelo e água no planeta, seus campos físicos e sua estrutura interna.

Sobre o apoio ao Programa de Exploração da China em Marte, Jean-Claude Biver, CEO da TAG Heuer e Presidente da Divisão de Relógios do Grupo LVMH, disse: "A exploração em Marte é uma das missões mais importantes na conquista do espaço pelo homem. O apoio da TAG Heuer ao programa representa o seu forte encorajamento ao grande sonho espacial dos seres humanos. É uma honra e um privilégio poder apoiar esse sonho, o próximo passo gigante da humanidade."

Liu Jizhong, comandante-chefe adjunto do primeiro projeto de sonda da China em Marte e reitor do Centro de Engenharia Aeroespacial e Exploração Lunar (Lunar Exploration & Aerospace Engineering Center), declarou, "Estamos felizes por trabalhar com a primeira marca suíça de relógios a chegar ao espaço. A marcação do tempo é de extrema importância na indústria aeroespacial. A TAG Heuer fornece uma cronometragem precisa e, principalmente, não tem medo de se deparar com desafios, o que reflete a convicção dos astronautas chineses. De acordo com o plano, a China pousará em Marte por volta de 2020. Apesar de termos um árduo caminho pela frente, os astronautas chineses farão história com um espírito destemido. Não vemos a hora para esse momento emocionante".

A primeira missão de exploração em Marte consistirá em entrar na órbita de Marte, pousar no planeta e ativar um rover. Será um grande desafio alcançar os três objetivos em uma única missão. Isso está em perfeito alinhamento com o espírito #DontCrackUnderPressure da marca TAG Heuer, bem como com a força motriz contínua para o avanço da humanidade.

Paramètres des cookies