BIOGRAFIA

Juan Manuel Fangio

Atuações espetaculares com risco de vida, sequestrado por rebeldes de Castro e, sobretudo, um desempenho automobilístico incomparável - a vida de "El Maestro" Juan Manuel Fangio é tão notável quanto o próprio homem.

 

Nascido em 1911 em Balcarce, na Argentina, Juan Manuel Fangio abandonou a escola aos 13 anos para trabalhar como assistente de mecânico em uma loja Studebaker. Na década de 1930, suas habilidades de mecânico ajudou-o a participar em corridas de longa distância - maratonas extenuantes de 109 horas pelo terreno selvagem sul-americano. A fadiga crônica e a extrema altitude dos Andes era um grande risco para qualquer piloto. Se o veículo quebrasse e não pudesse ser consertado, o piloto poderia morrer.

 

Campeão Nacional da Argentina em 1940 e 1941, ele só venceu nos circuitos europeus depois da guerra, quase aos quarenta anos de idade. Acidentes brutais em 48 (que matou seu co-piloto, Daniel Urrutia) e 52, não foram suficientes para segurá-lo. Ao longo dos anos 1950, ele se mudou da Alfa Romeo para a Mercedes-Benz, da Ferrari para a Maserati, sempre buscando o melhor carro, numa série de vitórias incomparáveis.

 

Quando a poeira baixou, em 1957, ele havia conquistado cinco Campeonatos Mundiais de Fórmula 1. Uma conquista incontestada por 45 anos até a chegada de Schumacher (embora a porcentagem de vitórias de Fangio - 46,15% - seja ainda hoje a maior na F1). E até o Schumacher sente que a performance de Fangio persiste: campeão numa época em que o esporte repousava mais na habilidade do motorista do que nas capacidades técnicas do carro, quando os óculos e um capacete eram a única proteção contra a morte.

 

Verdadeiro "Gentleman Driver", Juan Manuel Fangio foi um exemplo para todos dentro e fora da estrada, sempre cortês, sempre útil, não só com sua equipe, mas também com seus adversários. Considerado por muitos pilotos de Fórmula 1 como o maior de todos os tempos, Fangio tinha um talento inato de piloto que ele aperfeiçoou ao longo de anos de um estudo quase científico. Conduzir o carro com um mínimo de movimento, sua expressão impassível, a maestria absoluta de Fangio transformou o automobilismo numa arte. Com a precisão pioneira de seus relógios e seu rico patrimônio automobilístico, a TAG Heuer presta homenagem a Juan Manuel Fangio e à coragem e paixão desses primeiros heróis.